segunda-feira, 4 de novembro de 2013

PRIMEIRO AMOR, de Adília Lopes










Gostava muito dele


mas nunca lhe disse isso


porque a minha criada tinha-me avisado


se gostar de um rapaz


nunca lhe diga que gosta dele


se diz


ele faz pouco de si para sempre


os rapazes são maus


eu não era bela


nem sabia quem tinha pintado Os pestíferos de Jaffa


resolvi assim escrever-lhe cartas anónimas


escrevia o rascunho num caderno pautado


não sei hoje o que escrevia


mas sei que nunca escrevi


gosto muito de ti


e depois pedia a uma rapariga muito bonita


que passasse as cartas a limpo


eu acreditava que quem tinha uns cabelos


assim loiros e a pele assim fina


devia ter uma letra muito melhor do que a minha


agora que conto isto


vejo que deixo muitas coisas de fora


por exemplo que o meu primeiro amor


não foi este mas o Paulo


o irmão da rapariga bonita



(Ilustração: Reuben Negron - the embrace VII)




Nenhum comentário:

Postar um comentário