segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

VERGILIANA, de Maria Lúcia Dal Farra







Descansa comigo
sobre a folhagem nova!
Tenho frutas maduras, castanhas assadas,
fartura de queijo.
Ao longe um telhado fumega.

Nem de arbustos e tamarindos
os poemas se fazem.
É certo que assim verdejam
mas também em cinza se convertem.
Elevemos o canto: falemos da grande ordem,
da totalidade das coisas,
dos anéis de Saturno
do menino que há pouco nasceu.

Os meses correm:
úmido mel destilam as mangueiras,
heras vicejam sobre o mato,
vermelhos pendem dos espinhais incultos.

As Parcas os seus fusos correm
e a lã não mais imitará a cor:
o próprio carneiro, no prado,
vai transformar seu velo em púrpura
ou dourado açafrão;
já dispensam foices as videiras.

Alcemo-nos para as grandes honrarias!
Um século há de vir em que o alento
torne o mundo poesia.



(Livro de Possuídos)

(Ilustração:  Eliseo Visconti - gioventù, 1898)






Nenhum comentário:

Postar um comentário