segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O ECO DO PRANTO, de Agnello Regalla










Não me digas


Que essa é a voz de uma criança


Não...


A voz da criança


É suave e mansa


É uma voz que dança...


Não me digas


Que essa é a voz de uma criança


Parece mais


Um grito sem esperança


Um eco


Partindo de fundo de um beco


Não me digas


Que essa é a voz de uma criança,


Essa é doce e mansa


É uma voz que dança...


Esta parece mais


Um grito sufocado sob um manto


- O Eco do Pranto.



(Poeta de Guiné-Bissau; Portuguesia  Contraantologia - Minas entre os povos da mesma língua; org. Wilmar Silva)



(Ilustração: George Thairu - welcome home)




Nenhum comentário:

Postar um comentário