segunda-feira, 30 de maio de 2016

THE CHARGE OF THE LIGHT BRIGADE / A CARGA DA BRIGADA LIGEIRA, de Alfred Tennyson






HALF a league, half a league,
Half a league onward,
All in the valley of Death
Rode the six hundred.
‘Forward, the Light Brigade!
Charge for the guns!’ he said;
Into the valley of Death
Rode the six hundred.

‘Forward, the Light Brigade!’
Was there a man dismay’d?
Not tho’ the soldier knew
Some one had blunder’d:
Their’s not to make reply,
Their’s not to reason why,
Their’s but to do and die:
Into the valley of Death
Rode the six hundred.

Cannon to right of them,
Cannon to left of them,
Cannon in front of them
Volley’d and thunder’d;
Storm’d at with shot and shell,
Boldly they rode and well,
Into the jaws of Death,
Into the mouth of Hell
Rode the six hundred.

Flash’d all their sabres bare,
Flash’d as they turn’d in air,
Sabring the gunners there,
Charging an army, while
All the world wonder‘d:
Plunged in the battery-smoke
Right thro’ the line they broke;
Cossack and Russian
Reel’d from the sabre-stroke
Shatter’d and sunder’d.
Then they rode back, but not,
Not the six hundred.

Cannon to right of them,
Cannon to left of them,
Cannon behind them
Volley’d and thunder’d;
Storm’d at with shot and shell,
While horse and hero fell,
They that had fought so well
Came thro’ the jaws of Hell,
All that was left of them,
Left of six hundred.

When can their glory fade?
O the wild charge they made!
All the world wonder’d.
Honour the charge they made!
Honour the Light Brigade,
Noble six hundred!


Tradução de Wagner Mourão Brasil:


I
Meia légua, meia légua                 
Meia légua sempre adiante,                     
Todos, no vale da Morte                 
Os seiscentos cavalgaram.            
"Brigada Ligeira, avante!              
Contra as armas, carga à frente!".                       
Adentrando o vale da Morte                   
Os seiscentos cavalgaram.
II
"Brigada Ligeira, avante!"
Algum homem esmoreceu?
Não, pois sabendo o soldado
Que alguém em erro incorreu:
A eles não cabe contradizer, 
A eles não cabe querer saber, 
A eles só cabe agir e morrer.      
Adentrando o vale da Morte
Os seiscentos cavalgaram.
III
À sua destra, canhões,
À sua esquerda, canhões,
À sua frente, canhões
Disparavam e troavam;
Por tiros e bombas afligidos,
Cavalgaram destemidos,
Rumo aos caninos da Morte,
Rumo à boca do Inferno
Os seiscentos cavalgaram.
 IV
Luziram nus os seus sabres,
Luziram cortando os ares
Retalhando os artilheiros,
Batendo o inimigo, enquanto
Ao mundo todo assombravam:
Por entre a fumaça adentraram
Pela linha que romperam;
Aos cossacos e aos russos
Com seus sabres retalharam,
Massacraram e partiram.
E recuaram, mas não,
Não os seiscentos.
V
À sua destra, canhões,
À sua esquerda, canhões,
Às suas costas, canhões
Disparavam e troavam;
Tiros e bombas os afligiram,
Enquanto herói e corcel caíam,
Eles que tão bem renhiam,
Pelos caninos da Morte
Das bocas do Inferno saíam,
Todos os que restaram,
Restaram dos seiscentos.
VI
Será sua glória olvidada?
Oh, a brava carga lançada!
O mundo todo assombrado.
Honrai a carga lançada!
Honrai a Brigada Ligeira,
Nobres seiscentos.


Tradução de Octávio Santos:


Meia légua, meia légua,
meia légua em frente,
todos no Vale da Morte
cavalgaram com os seis centos.
“Para a frente a Brigada Ligeira!
Carreguem contra as armas!”, disse ele.
Para o Vale da Morte
cavalgaram os seis centos.

Para a frente a Brigada Ligeira!
Havia algum homem desanimado?
Todavia, o soldado não sabia
De algum que tivesse disparatado.
Eles não têm de responder,
eles não têm de se perguntar,
eles só têm de fazer e de morrer.
Para o Vale da Morte
cavalgaram os seis centos.

Canhão à direita deles,
canhão à esquerda deles,
canhão à frente deles
saraivaram e trovejaram;
atingidos por balas e obuses,
com audácia eles cavalgaram e bem,
para as mandíbulas da Morte,
para a boca do inferno
cavalgaram os seis centos.

Reluziram todos os seus sabres despidos,
reluziram ao rodopiarem no ar
sabrando os artilheiros lá
carregando contra um exército, enquanto
todo o Mundo se maravilhava.
Mergulhados no fumo das baterias
através da linha deles romperam a direito;
cossacos e russos
cambaleantes das sabradas
estilhaçaram-se e fenderam-se.
Então eles cavalgaram para trás, mas não,
não os seis centos.

Canhão à direita deles,
canhão à esquerda deles,
canhão à frente deles
saraivaram e trovejaram;
atingidos por balas e obuses,
enquanto cavalos e heróis caíam,
eles que haviam lutado tão bem
vieram através da mandíbulas da Morte,
de volta da boca do inferno,
tudo o que restava deles,
o que restava dos seis centos.

Quando irá a sua glória desvanecer-se?
Oh, a carga bravia que eles fizeram!
Todo o Mundo se maravilhou.
Honrem a carga que eles fizeram!
Honrem a Brigada Ligeira,
Nobres seis centos.

Tradução de Alexei Bueno:

Uma légua, e uma outra légua
E ainda outra, em frente,
Todos no Vale da Morte
Vão os seiscentos.
"Adiante, adiante, Brigada!
Contra as armas" é a ordem dada:
Dentro do Vale da Morte
Vão os seiscentos.

"Além, Brigada Ligeira!"
Qual de tal ordem se esgueira?
Soldado algum se desvia
Dos feitos cruentos:
Não têm o que responder,
Nada têm para dizer,
Eles só têm que morrer:
Dentro do Vale da Morte
Vão os seiscentos.

Canhões à direita deles,
Canhões à esquerda deles,
Canhões bem defronte a eles
Cuspindo, odientos;
Balas e bombas tragando,
Foram além, galopando,
Direto aos dentes da Morte,
Na boca infernal entrando
Vão os seiscentos.

Brilharam seus sabres no ar,
Luzindo a revolutear,
Já a artilharia a golpear,
Todo um exército, proeza
Que voou nos ventos:
Mergulhados na fumaça
Dos canhões, rompem sem jaça
Os russos e os cossacos
Que cada sabrada espaça
Tontos, sangrentos.
Então eles fogem, mas
Não os seiscentos.

Canhões à direita deles,
Canhões à esquerda deles,
Canhões bem nas costas deles
Cuspindo, odientos;
A bomba e bala crivados,
Cavalo e herói derrubados,
Eles, na luta exaltados,
Vieram da boca da Morte,
Do Inferno cruel resgatados,
Os restos que havia deles,
Deles, seiscentos.

Quem de sua glória se abeira?
Que ato o seu! A terra inteira
Espalha-o aos ventos.
Honra à sua carga altaneira!
Honra à Brigada Ligeira,
Nobres seiscentos!


(Poemas de Alfred Tennyson)



(Ilustração: Caton Woodville - Carga da Brigada Ligeira)



Nenhum comentário:

Postar um comentário