sábado, 18 de maio de 2013

LETTERA AMOROSA, de Eugénio de Andrade








               Respiro o teu corpo:
               sabe a lua-de-água
               ao amanhecer,
               sabe a cal molhada,
               sabe a luz mordida,
               sabe a brisa nua,
               ao sangue dos rios,
               sabe a rosa louca,
               ao cair da noite
               sabe a pedra amarga,
               sabe à minha boca.



(Ilustração: Eduardo Fiel)



Nenhum comentário:

Postar um comentário