terça-feira, 5 de maio de 2015

HAIKAIS, de Guilherme de Almeida





CARIDADE

Desfolha-se a rosa.
Parece até que floresce
O chão cor-de-rosa.


VELHICE

Uma folha morta.
Um galho, no céu grisalho.
Fecho a minha porta.


NOROESTE

Dilaceramentos...
Pois tem espinhos também
A rosa-dos-ventos.


O "HAIKAI"

Lava, escorre, agita
A areia. E, enfim, na bateia
Fica uma pepita.


INFÂNCIA

Um gosto de amora
Comida com sol. A vida
Chamava-se: "Agora".



(Ilustração: Marc Chagal)



Nenhum comentário:

Postar um comentário