terça-feira, 19 de abril de 2011

PLENA NUDEZ, de Raimundo Correia






Eu amo os gregos tipos de escultura:
Pagãs nuas no mármore entalhadas;
Não essas produções que a estufa escura
Das modas cria, tortas e enfezadas.

Quero em pleno esplendor, viço e frescura
Os corpos nus; as linhas onduladas
Livres: de carne exuberante e pura
Todas as saliências destacadas...

Não quero, a Vênus opulenta e bela
De luxuriantes formas, entrevê-la
De transparente túnica através:

Quero vê-la, sem pejo, sem receios,
Os braços nus, o dorso nu, os seios
Nus... toda nua, da cabeça aos pés!



(Ilustração: Botero - nudo 1979)

Um comentário:

  1. Enfim,o autor, que bastante carne!
    Viva a excentricidade de todo ser!

    ResponderExcluir