quarta-feira, 29 de setembro de 2010

SÓ DESTA VEZ, OU: EU QUE JÁ MOREI EM JUNDIAÍ, de Eliana Iglesias






O James Dean
sabe, ele?
se apaixonou
...por mim
nem liguei
eu tava em outra
papo de liberdade
luta armada
revolução
no campo
e na cidade
que roubada!
o Elvis Presley
alí, aos meus pés
e eu?
pelo viés
na contramão
eu era assim
cheia de ilusão
livro vermelho de mao
ouvindo a rádio de pequim
eu era assim

cartinhas do
John Kennedy
cheias de paixão
ele que era tão amerrricano
e eu nem tchum
se eu era daqui?
convento dos dominicanos
rua Caiubi
secreta reunião
“ o que é isso, companheiro! ”
um fusca
ronda o quarteirão
milícia armada invade
a sala
e toma bala!
ah!
bombas de gás
também
eles diziam
pra se manter a paz
não era demais?
e o John Kennedy
querendo a mim?
quando podia ter
a Marilyn!
e eu que nem era
comunista
nem nada
era anarquista?
deslumbrada?
eu era boba
usei calça cigarrete
coque banana
experimentei minister
e marijuana
dancei tanto rock
ganhei campeonato
nunca fui a Miami
mas usei rayban
banlon, tergal
eu que tive
a Marilyn por rival
gostava de cada coisa!
supremo de filé de frango
no Ferro´s bar
pousar de intelectual
cinema novo
bossa nova
e velhos ideais
isso pode?
de tão velhos
os ideais?
morreram
um a um
num lugar fétido
chamado de doi-codi
os amigos se foram
a padaria fechou
e como diria john lennon
então.... o sonho acabou?


o sonho não acaba nunca
agora
o Brad Pitt
me deseja
e eu nem aí
alguém como eu
que já morou em Jundiaí
não tem que competir
com mais ninguém
pensaram que a rima
fosse com Jolie? é?

não, que minha geração
não rima com mais nada
os que restaram
ficaram por aí,
na estrada
e eu... eu
nunca mais os vi
justo eu ...
que já morei em Jundiaí

ninguém me pergunta mais
da alegria, ou tortura
se ainda me lembro
do riso, da angústia
do medo, do abraço
o que faço?
sou desinteressante
não para mim, é claro!
o passado
faço questão
é algo muito raro
... para mim, é claro!
então,
dou um laço
amarrando o presente
com nó apertado
e deixo esse tal de... presente
de lado (de uma vez por todas)


o que há aqui
é só gente
isso é passado?
ou é presente?
gente que não conheço?
gente que logo me esquece?
e que logo esqueço?
é... (nem se discute)
é presente!

cadê o endereço?
merda de festa insossa
bovinamente mastigamos crepe
George Clooney? Matt Demon?
Al Pacino?
o quê fazer?
se eu tou em outra?
meu deus?
em que outra eu tou?
que outra eu sou?
ah!
sei lá,

merda de festa
insossa...
bovinamente,
mastigamos crepe
capitulei
desta vez,
e só desta vez
posso considerar
quem sabe
uma declaração de amor
...do Johnny Deep? ....



(Ilustração: Jack Vettriano – the red room)




Nenhum comentário:

Postar um comentário