sábado, 12 de março de 2016

O AMOR, de Eugénio de Andrade








Estou a amar-te como o frio
corta os lábios.

A arrancar a raiz
ao mais diminuto dos rios.

A inundar-te de facas,
de saliva esperma lume.

Estou a rodear de agulhas
a boca mais vulnerável.

A marcar sobre os teus flancos
itinerários da espuma.

Assim é o amor: mortal e navegável.





(Ilustração: Bruno Schmeltz)



Nenhum comentário:

Postar um comentário